sexta-feira, 3 de outubro de 2008

ESCOLHAS

A apenas três dias das eleições, e com a maioria do eleitorado já tendo praticamente definido o seu voto para Prefeito, às atenções se voltam para a disputa entre os candidatos ao legislativo, talvez a competição mais difícil da nossa comunidade.
Realmente, com as Sessões da Câmara transmitidas ao vivo pela Rádio - o que não acontece com as ações do Executivo - o vereador possui enorme visibilidade e acaba criando um vínculo muito estreito com o eleitorado e com a população de uma maneira geral.
Daí a importância de escolher um bom vereador, o que deve estimular à gente a alguma reflexão, fazendo com que a decisão recaia em gente séria, capaz e competente.
E candidato é o que não falta em Arroio Grande. Nas três coligações – Unidade Social Trabalhista, União Cidadã e Frente Popular – existem excelentes candidatos para todos os gostos.
Tem os atuais vereadores, que buscam continuar no cargo - o Capenga, o Luciano, o Oscar, o Leleco, o Henrique e o Bena; tem os que já foram vereadores e querem voltar, como o Sérgio Corrêa, o Honorinho e o Plínio; existem as mulheres, como a Silvana, a Carla e a Liziane, só pra citar uma de cada coligação, e tem até aqueles nomes que despertam alguma curiosidade, como o do Ydi Sidatta, o Rafael e o Chalita, por exemplo, figuras conhecidas na comunidade, mas todos iniciantes em política. E têm muitos outros, ótimos nomes pra nos representar no legislativo municipal.
Resta, portanto, a cada eleitor estabelecer os critérios da sua escolha. Têm uns que votam por amizade, outros por parentesco, alguns por “obrigação”, e poucos, poucos mesmo, por convicção. De qualquer forma, quase todos possuem um motivo pra votar em alguém. Eu não sou diferente e até já escolhi o meu candidato.
Vou votar num cara que é bom para todo mundo sem ser meramente assistencialista; que é popular sem ser populista; que é humano sem ser demagogo; que pode legislar sem ser somente legalista; que é sério sem ser pedante; que é engraçado sem ser simplório; que é falante sem ser chato; um cara que é gente com “G” maiúsculo.
Eu vou votar num cara que, se for escolhido, pode fazer um baita dum trabalho na Câmara, mas caso não venha a ser eleito volta tranquilamente pro seu trabalho, com a consciência tranqüila e sem dever nada pra ninguém.
Vou votar num cara independente, ético, inteligente e de uma enorme grandeza; um cara que todos conhecem, respeitam e admiram - como funcionário público, como artista e como pessoa. Só não vou dizer que vou votar num cara irrepreensível, no vereador que toda a cidade está esperando, porque aí já vão me acusar de estar fazendo campanha pro Donga.
(Obrigado LFVeríssimo)

2 comentários:

Ricardo Souza disse...

Olá Juninho. Após longa ausência volto ao teu blog. Sabes minha posição política, não endosso nenhuma das idéias do Partido dos Trabalhadores, mas, com certeza, se ainda votasse em Arroio Grande meu voto seria do Donga, um guri que conheço desde pequeno e que sempre admirei, não só pelo talento de chargista, mas por suas posições firmes e leais. É um voto que vale a pena. Estou torcendo pelo Donga. Acho que o Km, meu irmão vota nele. Vou confirmar e tentar cabalar este voto.

Pedro Jaime Bittencourt Junior disse...

Carlos.
Saúdo a tua volta, com um pequeno lamento pelo teu afastamento.
Quanto a manifestação acerca do candidato, encontro nas tuas palavras a melhor definição do Donga: leal. Como poucos, como raros, como a gente gostaria que a gente mesmo fosse.
Espero que o Kim (com quem cruzei observando a "carreata" hoje) e os outros "teus" tenham esse mesmo sentimento, e possam ajudar a quem verdadeiramente possui posição (crítica-ideológica-construtiva-transgressora-revolucioária...) maior e acima da legenda que defende.
A minha satisfação - a par do que escuto sobre o amigo, sobre ocompanheiro de partido, sobre o candidato... - é saber que identificam na crõnica o que todos pensam dele; um cara que vale a pena, acima de tudo como Gente.
Um abraço, e não desaparece.